Notícias

Confira as últimas notícias

08 ago
SENADO APROVA ABERRAÇÃO NA PERÍCIA MÉDICA DO INSS

Ontem o Senado aprovou, no afogadilho, uma aberração judicial (os senadores estavam mais preocupados com a possível transferência de Lula ...

18 jun
Reforma da Previdência: apontamentos sobre Custeio do RGPS, após novo texto apresentado pelo Relator

Quem está acompanhando as discussões sobre a reforma da previdência, já deve estar ficando maluco: em 2016 o governo Temer ...

24 jan
REFORMA DA PREVIDÊNCIA: TODOS DEVERÃO CONTRIBUIR?

“Arrancam-me até o último centavo, e ainda me chamam de contribuinte” (Millôr Fernandes) Em entrevista ao site O antagonista, o ...

 

AGENDA

agosto 2019

seg ter qua qui sex sáb dom
1
2
3
  • Niver do Arlindo no Cheers
4
5
6
7
8
  • (APEPAR) II Encontro dos Peritos do PR
9
  • (PUC Curitiba) aula na pós: Cálculo das prestações previdenciárias
10
  • (PUC Curitiba) aula na pós: Cálculo das prestações previdenciárias
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
  • Mateus Ceará no Aurora
24
25
26
27
  • (CDH) Audiência pública no Senado
28
29
30
31

MEUS NÚMEROS

Até 29.12.2018

Processos Analisados

1044

Perícias Realizadas

494

Horas-Aula em pós-graduação

1148

Cursos e palestras ministrados

339

INFORMAÇÃO PARA PROFESSORES E ESTUDANTES, INFORMAÇÕES SOBRE EVENTOS E EDUCAÇÃO NOTÍCIAS

Entre em contato
CONTATO

DEPOIMENTOS

Questões Frequentes

R: Não pode. Pedir este exame é prática discriminatória e crime. (Base Legal: Lei 9.029/95).

R: Se faz menos de cinco anos que está atrasado, pode pagar direto. Se faz mais de cinco anos, você deverá procurar o INSS, levando as provas de que realmente trabalhou naquele período, e então o próprio INSS vai calcular quanto você deverá pagar.

R: Se não houver qualquer Proibição legal ou contratual, a empresa pode chamar seu empregado para trabalhar no feriado. Em contrapartida, ela terá duas opções: a) dará outro dia de folga; ou b) pagará o salário do trabalho no feriado em dobro. (Base legal: Lei 605/49)

R: Não perde. Quem perde é funcionário público e militar. Agora, se o novo cônjuge também morrer, você terá que escolher a pensão de um dos dois (não vai poder acumular duas pensões).

R: Não. A Lei fala em aviso "concedido", logo só se aplica ao aviso concedido pela empresa, pois o empregado não "concede" aviso prévio. (Base legal: Lei 12.506/11)